Redação Dissertativa Argumentativa: exemplos, como fazer, pronta

O modelo de texto dissertativo argumentativo é um dos modelos mais cobrados dos estudantes durante toda a grade do ensino médio, curso técnico e ensino superior. A linha de raciocínio utilizada em um texto argumentativo tem como característica a realidade dos fatos. Em trabalhos acadêmicos e científicos, como as monografias, é fundamental saber argumentar. Como começar uma Dissertação: veja como iniciar a sua

Neste post vamos falar mais sobre a redação dissertativa argumentativa explicando as características deste tipo de texto. Aprenda como fazer uma redação dissertativa argumentativa sem dificuldade e esteja preparado(a) para concursos, vestibular, trabalhos acadêmicos e científicos, ou para qualquer outra oportunidade quando ela surgir. Veja tudo isso a seguir!

exemplo de redação nota 1000 enem

O que é Dissertação?

A dissertação é um assunto que o aluno deve dominar, e para começarmos falar sobre ela, é importante apontarmos os dois tipos de dissertação existentes:

Dissertação Objetiva

Em uma dissertação objetiva, o autor do texto procura manter-se distante do seu público-alvo, pois os argumentos são colocados no texto de uma forma impessoal. Isso tem como objetivo gerar imparcialidade, ainda que a visão do autor esteja sendo apresentada de forma indireta. Esse modelo de dissertação além de ser indireto, permite que os leitores aceitem com mais facilidade as ideias discutidas pelo autor da dissertação.

Dissertação Subjetiva

Em um texto dissertativo subjetivo, o autor se faz presente no texto e utiliza o “eu”, primeira pessoa do singular. Desta forma, é possível evidenciar os argumentos que são lançados em um texto e enxergar a visão do autor claramente. A opinião do autor é visível para todos os leitores, assim como na dissertação objetiva, mas neste caso, a diferença é que o autor não esconde que é dono de tal opinião e conclui o texto seguindo esta linha.

Para ficar mais fácil de entender, vamos mostrar exemplos do que é um texto dissertativo objetivo e subjetivo. Veja nos exemplos logo a seguir que as ideias são direcionadas ao leitor, porém, no modelo objetivo o dono das ideias se mantém distante do texto, já no modelo subjetivo, ele se faz presente:

Exemplo de dissertação objetiva

“Há milhares de forma de se operar no mercado financeiro. As operações no mercado financeiro acontecem a todo instante e movimentam milhões em dólares, euro, libra e reais. Os símbolos apontam cada uma das moedas: USD, EUR, GBP e BRL.”

Exemplo de uma dissertação subjetiva

“É triste quando olho para as propagandas que viralizaram no Youtube e em outros ambientes da internet focadas em vender curso para operar no mercado financeiro com a promessa de ganhos exorbitantes como algo fácil, sem a necessidade de estudar e se dedicar para isso.”

É possível observar sem dificuldades que no primeiro modelo o uso da terceira pessoa é destacado de forma objetiva. Já no segundo modelo, notamos que o autor se posicionou com sua opinião e a manteve durante todo o trecho destacado. As duas formas de escrita que apresentamos são aceitas e muito utilizadas, mas o mais importante é que você opte por um dos dois modelos até o final do texto.

Redação argumentativa dissertativa

Um texto argumentativo é o que já falamos nos parágrafos acima: a expressão de uma ideia, opinião e todo ponto de vista de um autor, com foco em fazer o leitor acreditar naquilo que está lendo. Além dos modelos dissertativos que vimos nos tópicos acima, temos também o poder argumentativo direcionado com técnicas para convencer o leitor sobre algo. Texto Argumentativo: exemplo, como fazer e sugestões para criação

A palavra “argumento” tem origem no latim “argumentum”, que em português é o mesmo que fazer iluminar algo, fazer brilhar algo, no sentido de fazer uma pessoa ter uma ideia sobre algo. Os argumentos são facilmente observados em uma redação dissertativa argumentativa, pois para isso, basta que identifiquemos a ideia principal (tese) para sermos conduzidos para uma indagação. Essa indagação é suprida no desenvolvimento da redação argumentativa. Crônica Argumentativa: exemplos, como fazer, estrutura e dicas

Por exemplo, vamos imaginar que um autor começa a introdução de sua redação argumentativa afirmando em terceira pessoa (dissertação objetiva) que é contra a pena de morte no Brasil. Assim que lançou sua tese no primeiro parágrafo de sua redação (na introdução), ele fez o leitor se perguntar: por que ser contra a pena de morte no Brasil?

Após essa introdução sobre posicionamento do autor quanto ao assunto, o autor tem no desenvolvimento da redação um espaço para mostrar porque ele é contra a pena de morte no Brasil e tentar convencer o leitor com seus argumentos. É nesta parte que saber argumentar faz a diferença para os leitores e examinadores de concursos e vestibulares. Veja a seguir quais são os tipos de argumentação utilizados em uma redação dissertativa argumentativa para você trabalhar a sua redação de forma técnica e focada.

*Fonte: Mundo Vestibular

Tipos de argumentação utilizados em redação dissertativa

Argumentação de autoridade – É o tipo de argumentação que lança a opinião comprovada de um ou mais especialistas no assunto. Esse é um dos modelos mais recomendados que traz para o uma redação dissertativa argumentativa credibilidade diante das autoridades citadas. Por exemplo: “Conforme aponta o OMS (Organização Mundial da Saúde), a amamentação de recém-nascidas deve ser mantida por seis meses no mínimo ou mais se possível”.

Argumentação de consenso – Em um ou mais enunciados durante o desenvolvimento de sua redação dissertativa argumentativa, é possível utilizar argumentos consagrados pelo consenso. Exemplo: “O estudo e a dedicação levam ao aprimoramento profissional das pessoas”. Observe que nessa argumentação não é preciso lançar o nome de nenhum especialista ou autoridade, pois faz parte de um consenso geral que estudar e se de dedicar a algo leva ao aprimoramento de alguém.

Argumentação por observação – Esse modelo de argumentação é fundamentado na confirmação de um documento utilizado para provar ao leitor tal argumento. Exemplo: “É por meio do acaso que as grandes descobertas científicas se originam. Veja no caso de Alexander Fleming, que durante seus experimentos com bactérias, notou que os fungos que iam surgindo no frasco destruíam as bactérias nele contido. Deste estudo e observação nasceu a penicilina”. O argumento chave que o autor quis destacar é: “por meio do acaso que as grandes descobertas científicas se originam”, e utilizou o exemplo de um documento lançado por Fleming.

Argumentação com fundamentação lógica – A argumentação utilizada neste modelo é baseada em raciocínio lógico, focado em causa e efeito, ação e reação, etc. Exemplo: “é importante ponderarmos nossas palavras e atitudes com todos ao nosso redor”. Neste caso, o autor quis alertar o leitor para que suas ações sejam sempre pensadas e que elas irão gerar consequências.

Exemplos de redação nota 1000 no ENEM

Equilíbrio Aristotélico

         Ao longo do processo de formação do Estado brasileiro, do século XVI ao XXI, o pensamento machista consolidou-se e permaneceu forte. A mulher era vista, de maneira mais intensa na transição entre a Idade Moderna e a Contemporânea, como inferior ao homem, tendo seu direito ao voto conquistado apenas na década de 1930, com a chegada da Era Vargas. Com isso, surge a problemática da violência de gênero dessa lógica excludente que persiste intrinsecamente ligada à realidade do país, seja pela insuficiência de leis, seja pela lenta mudança de mentalidade social.

         É indubitável que a questão constitucional e sua aplicação estejam entre as causas do problema. De acordo com Aristóteles, a política deve ser utilizada de modo que, por meio da justiça, o equilíbrio seja alcançado na sociedade. De maneira análoga, é possível perceber que, no Brasil, a agressão contra a mulher rompe essa harmonia, haja vista que, embora a Lei Maria da Penha tenha sido um grande progresso em relação à proteção feminina, há brechas que permitem a ocorrência dos crimes, como as muitas vítimas que deixam de efetivar a denúncia por serem intimidadas. Desse modo, evidencia-se a importância do reforço da prática da regulamentação como forma de combate à problemática.

         Outrossim, destaca-se o machismo como impulsionador da violência contra a mulher. Segundo Durkheim, o fato social é uma maneira coletiva de agir e de pensar, dotada de exterioridade, generalidade e coercitividade. Seguindo essa linha de pensamento, observa-se que o preconceito de gênero pode ser encaixado na teoria do sociólogo, uma vez que, se uma criança vive em uma família com esse comportamento, tende a adotá-lo também por conta da vivência em grupo. Assim, o fortalecimento do pensamento da exclusão feminina, transmitido de geração a geração, funciona como forte base dessa forma de agressão, agravando o problema no Brasil.

         Entende-se, portanto, que a continuidade da violência contra a mulher na contemporaneidade é fruto da ainda fraca eficácia das leis e da permanência do machismo como intenso fato social. A fim de atenuar o problema, o Governo Federal deve elaborar um plano de implementação de novas delegacias especializadas nessa forma de agressão, aliado à esfera estadual e municipal do poder, principalmente nas áreas que mais necessitem, além de aplicar campanhas de abrangência nacional junto às emissoras abertas de televisão como forma de estímulo à denúncia desses crimes. Dessa forma, com base no equilíbrio proposto por Aristóteles, esse fato social será gradativamente minimizado no país.

Raphael de Souza – Rio de Janeiro – ENEM 2015

Carolina Mendes Pereira – 18 anos | Natal – RN

Em sua canção “Pela Internet”, o cantor brasileiro Gilberto Gil louva a quantidade de informações disponibilizadas pelas plataformas digitais para seus usuários. No entanto, com o avanço de algoritmos e mecanismos de controle de dados desenvolvidos por empresas de 7 aplicativos e redes sociais, essa abundância vem sendo restringida e as notícias, e produtos culturais vêm sendo cada vez mais direcionados – uma conjuntura atual apta a moldar os hábitos e a informatividade dos usuários. Desse modo, tal manipulação do comportamento de usuários pela seleção prévia de dados é inconcebível e merece um olhar mais crítico de enfrentamento.

Em primeiro lugar, é válido reconhecer como esse panorama supracitado é capaz de limitar a própria cidadania do indivíduo. Acerca disso, é pertinente trazer o discurso do filósofo Jürgen Habermas, no qual ele conceitua a ação comunicativa: esta consiste na capacidade de uma pessoa em defender seus interesses e demonstrar o que acha melhor para a comunidade, demandando ampla informatividade prévia. Assim, sabendo que a cidadania consiste na luta pelo bem-estar social, caso os sujeitos não possuam um pleno conhecimento da realidade na qual estão inseridos, e de como seu próximo pode desfrutar do bem comum – já que suas fontes de informações estão direcionadas -, eles serão incapazes de assumir plena defesa pelo coletivo. Logo, a manipulação do comportamento não pode ser aceita em nome do combate, também, ao individualismo e do zelo pelo bem grupal.

Em segundo lugar, vale salientar como o controle de dados pela internet vai de encontro à concepção do indivíduo pós-moderno. Isso porque, de acordo com o filósofo pós-estruturalista Stuart-Hall, o sujeito inserido na pós-modernidade é dotado de múltiplas identidades. Sendo assim, as preferências e ideias das pessoas estão em constante interação, o que não pode ser limitado pela prévia seleção de informações, comerciais, produtos, entre outros. Por fim, seria negligente não notar como a tentativa de tais algoritmos de criar universos culturais adequados a um gosto de seu usuário criam uma falsa sensação de livre-arbítrio e tolhe os múltiplos interesses e identidades que um sujeito poderia assumir.

Portanto, são necessárias medidas capazes de mitigar essa problemática. Para tanto, as instituições escolares são responsáveis pela educação digital e emancipação de seus alunos, com o intuito de deixá-los cientes dos mecanismos utilizados pelas novas tecnologias de comunicação e informação e torná-los mais críticos. Isso pode ser feito pela abordagem da temática, desde o ensino fundamental – uma vez que as gerações estão, cada vez mais cedo, imersas na realidade das novas tecnologias -, de maneira lúdica e adaptada à faixa etária, contando com a capacitação prévia dos professores acerca dos novos meios comunicativos. Por meio, também, de palestras profissionais das áreas da informática que 8 expliquem como os alunos poderão ampliar seu meio de informações e demonstrem como lidar com tais seletividades, haverá um caminho traçado para uma sociedade emancipada.

Carolina Mendes Pereira – 18 anos | Natal – RN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SEMANA DO TCC: Aulas online GRÁTIS!

Nesta semana mostrarei Como fazer um Projeto de Pesquisa do Inicio ao Fim. Custe o que custar! Vagas limitadas